4º Woman in Tech: Blockchain e suas aplicações Institucional

4º Woman in Tech: Blockchain e suas aplicações

Mayra Siqueira

Didática, conteúdo e troca de ideias. A 4º edição do Woman In Tech, evento organizado pela Foxbit, trouxe diversos conceitos para o debate do painel de especialistas com diferentes usos da tecnologia. O propósito dos encontros é fomentar a temática através de debatedoras mulheres que fizeram a diferença em suas áreas e trazer o conhecimento para perto de um grupo ainda esmagadoramente minoritário no mercado de capitais.
A introdução e apresentação foi de Natália Garcia, sócia e diretora jurídica da Foxbit, com mediação de Mayra Siqueira, jornalista da Foxbit. A mesa contou com Suzi Hong, advogada do escritório BSHLaw, com atuação no mercado de capitais e conhecimento em regulação no mundo de ICOs, tokens e criptos; Miriam Oshiro, co-fundadora da OriginalMy, empresa pioneira em autenticidade de documentos, contratos e pessoas em Blockchain; e Carolina Morandini, Head de Startups & Business Development da Telefônica Open Future & Wayra Brasil.
O tema foi Blockchain, suas aplicações em diferentes áreas e realidades, e seus aspectos regulatórios e legais. Como uma das cabeças da OriginalMy, Miriam deu o depoimento inicial, falando sobre a plataforma e seu desenvolvimento na autenticidade de documentos e com a perspectiva de que cada pessoa possa ser dona de seus dados e disponibilizá-los a quem quiser – através de sua chave criptografada em Blockchain.
Carolina, que lida com a escolha de startups para fazerem parte do projeto de incentivo da Wayra, avaliou como ainda muito incipiente e incerto o mercado de empresas que estão olhando para o Blockchain como uma alternativa viável. Custos e desconhecimento são ainda grandes impedimentos para que a tecnologia seja mais bem utilizada neste ramo.
Por fim, Suzi traçou um panorama da regulamentação e ICOs, tokens, exchanges e mercado de criptomoedas no mundo, e das dificuldades e barreiras que o Brasil ainda tem para entender, chancelar e “encaixar” os produtos na legislação que hoje existe no nosso mercado financeiro.
Após as perguntas do público, as panelistas se participaram de um bate-papo informal durante o coffee break com os interessados em tirar outras dúvidas e trocar informações.
Através dos encontros periódicos, a Foxbit espera fomentar a participação de mais mulheres e quaisquer interessados em ampliar seu conhecimento no mercado de criptoeconomia.
Acreditamos que só através do conhecimento é possível atingir a liberdade financeira.