O bitcoin me libertou do estado Como conheci o Bitcoin

O bitcoin me libertou do estado

O Bitcoin pode ser usado como uma forma de se libertar do estado. Lucas conta como conheceu o Bitcoin.

Lucas Bassotto

Eu e o Bitcoin

Sou Lucas Bassotto, estudante de Economia e trabalho há 1 ano na Foxbit. Comecei como Community Manager, trabalhando remotamente da cidade de Queimados no Rio de Janeiro. A princípio eu representava a Foxbit nas comunidades de Bitcoin na Internet e também fazia a parte de Customer Experience.

Em maio fui convidado para passar uma semana trabalhando na Foxbit, naquela ocasião haveria o lançamento do Cointimes. Desde então, passei a ficar mais envolvido com o marketing de conteúdo, produzindo para o Cointimes, até ser convidado para me mudar para São Paulo. Aceitei sem pensar duas vezes e desde então estou aqui. Confesso que sinto falta de estar toda semana no Maracanã, mas pequenos sacrifícios são necessários.

Conheci o Bitcoin quando estava estudando mais sobre dinheiro, moeda e economia monetária. Sempre foi uma área que me interessei muito na faculdade de economia. Afinal, o dinheiro, na minha opinião, é a maior invenção da história da humanidade.

O dinheiro possibilitou que a nossa sociedade saísse de um estado tribal onde as trocas ocorriam através do escambo. Com o dinheiro, evoluímos para uma sociedade extremamente complexa e rica. Nosso patamar de qualidade de vida se elevou drasticamente.

O livro que me fez conhecer o Bitcoin

Um dos livros que eu li durante os estudos foi: “O que o governo fez com nosso dinheiro” de Murray Rothbard. No livro ele explica a evolução do dinheiro e como ele se tornou uma das maiores criações da humanidade. No entanto, Rothbard também mostra como o dinheiro se tornou uma criatura do governo.

O que o governo fez com o nosso dinhero? - Murray N. Rothbard bitcoin

O que o governo fez com o nosso dinhero? – Murray N. Rothbard

Ele mostra como o nosso dinheiro se tornou pior com o passar dos anos, afinal, é isso o que acontece em monopólios. Nosso dinheiro não estava mais sendo usado para produzir riqueza, o governo estava usando ele para produzir violência institucionalizada.

Através do monopólio da moeda ele poderia se financiar indefinidamente e usar a inflação como uma espécie de tributo, o mais cruel que existe. Nosso dinheiro, antes lastreado em ouro, agora é apenas uma breve abstração, lastreado em palavras vazias escritas em um pedaço de papel.

Depois de ler aquele livro, entendi que eu deveria me libertar do dinheiro estatal. Mas como eu poderia fazer isso? Em um primeiro momento pensei em comprar Ouro, mas a burocracia era gigantesca e eu tinha uma preocupação muito grande em relação à sua pureza.

Depois de alguns dias, me lembrei do Bitcoin, que eu ouvi falar em 2013, era um dinheiro que só existia internet. Fiquei de fato curioso e passei a estudar mais a fundo, procurei por uns vídeos no Youtube e vi que o Fernando Ulrich tinha um canal de Bitcoin, ele que por coincidência, havia escrito o prefácio do livro que eu havia lido.

Conhecendo mais o Bitcoin

Depois de ver alguns vídeos e ler o whitepaper do Bitcoin, concluí que ele era o caminho para me libertar do dinheiro estatal. O Bitcoin é uma moeda inconfiscável, livre do controle de qualquer indivíduo ou instituição, descentralizada e genuinamente escassa.

Convencido de que deveria fazer parte dessa evolução do dinheiro, peguei uma pequena quantia em dinheiro que possuía e fiz um depósito na Foxbit. Além disso, entrei nos principais grupos de Bitcoin no Facebook e instalei a minha primeira carteira no computador.

Para garantir a aprovação do depósito em um Sábado, adicionei o Guto Schiavon no Facebook e pedi para aprovar o depósito pelo chat. Por ironia, alguns anos depois eu estaria alguns anos passando exatamente pela mesma situação, só que agora estando do outro lado.

Quando consegui meu primeiro emprego, passei a comprar Bitcoin com mais frequência e ele definitivamente passou a fazer parte de todos os meus dias, especialmente depois de começar a trabalhar na Foxbit.

Sou muito pessimista em relação ao futuro do sistema econômico atual, baseado na centralização. Por conta disso, acredito que o Bitcoin se tornará cada vez mais um instrumento de libertação de toda insanidade econômica que vivemos hoje. Acredito que se ocorrer mais um colapso como em 2008, o Bitcoin surgirá como a nova moeda da sociedade, se valorizando exponencialmente.

Hoje posso dormir tranquilamente sabendo que sou o dono do meu próprio dinheiro. Fico aliviado toda vez que penso que não há a menor chance de passar por um confisco de poupança como ocorreu no governo do Collor. Além de saber que ele jamais será confiscado como o ouro da população americana em 1933. O Bitcoin me libertou do estado.