Investir em Bitcoin é seguro? Investimento

Investir em Bitcoin é seguro?

Guto Schiavon

Para quem quer investir em Bitcoin, as últimas notícias sobre a moeda podem agradar bastante. Para se ter ideia, a criptomoeda nunca esteve tão bem cotada no mercado. Nesta quarta-feira, 1 de novembro, a moeda chegou a ser negociada por US$ 6.450, o que significa mais de R$ 21 mil (veja quanto custa 1 bitcoin agora).
Especialistas confirmam que essa é a melhor hora para investir, porém, apesar do bom momento, ainda existem muitas dúvidas sobre a segurança desse investimento. Pensando nisso, hoje, explicaremos para você se este é uma opção segura. Entenda!

Investir em Bitcoin é seguro?

Antes de responder esta pergunta, é importante esclarecer algumas informações. Primeiro, o Bitcoin não é como uma aplicação comum, ela é uma moeda. Por isso, há formas específicas para se investir: por meio de mineração, onde se usa um software para emitir novas espécies, ou por troca de dinheiro real pela criptomoeda.
A segunda coisa é que a segurança do Bitcoin está atrelada à sua criptografia — sistema de códigos extremamente complicado e bem difícil de ser decifrado. Sua proteção também é garantida por causa de sua independência. A longo prazo, essa moeda não é afetada por problemas de instabilidade comuns em mercados monetários, já que não há interferência de fora.
Outro ponto é que ela possui uma emissão previsível, isto é, existe um protocolo que permite apenas a existência de aproximadamente  21 milhões de Bitcoins, garantindo uma proteção deflacionária para a moeda.
Contudo, apesar de sua administração exigir apenas um computador e conexão com a internet. Sua mineração é um pouco mais complicada e necessita de um PC com um bom processador, aplicativos específicos para minerá-la e criar uma carteira virtual responsável por gerenciar as moedas conquistadas.

Quais são as desvantagens?

O que mais preocupa os economistas quando se fala em Bitcoin é a sua volatilidade. Em seu histórico, a moeda já apresentou oscilações extremas em poucos dias. Em janeiro desse ano, por exemplo, ela chegou a valer U$$ 842 e dias depois atingiu o patamar de US$1.080.
Apesar do aumento positivo de 28% na época a oscilação ainda é muito grande. Mesmo aplicações como ações ou moedas tipo o dólar, por exemplo, costumam sofrer oscilações mínimas se comparadas ao Bitcoin.

O fim do dinheiro em espécie está próximo? Entenda aqui!


A questão regulatória também é um tema que merece atenção: não se sabe como os governos lidarão com a moeda à medida que ela for se tornando mais presente na vida das pessoas. Apesar disso, é a sua descentralização que garantirá que o poder executivo não tente controlá-la, embora possam haver proibições de seu uso.
Outro ponto é que por causa da falta de conhecimento dos usuários, a segurança para lidar com moedas desse tipo pode ser prejudicada. Nesse contexto, ataques contra os usuários de Hackers e Malwares são bem possíveis.
Em 2014, por exemplo, ocorreu um problema que não está relacionado a moeda em si, mas com a plataforma responsável por gerenciar o trade. A bolsa japonesa Mt.Gox sofreu um ataque no qual cerca de R$385 milhões dos usuários foram roubados. Escolher uma bolsa que nunca foi hackeada e com bom histórico é de extrema importância.
O que indica que, apesar de ser um mercado bastante promissor, ainda há incertezas a respeito de sua administração e que devem ser considerados quando se pensa no seu investimento.
E aí, gostou de saber se investir em Bitcoin é seguro? Gostaria de conhecer mais sobre a moeda? Dê uma olhada sobre o nosso texto sobre transações com a criptomoeda e entenda como funciona!
https://blog.foxbit.com.br/transacao-de-bitcoins-entenda-de-uma-vez-por-todas-como-funciona/