Mayra Siqueira Nossas histórias

Mayra Siqueira

Mayra Siqueira

Falar – pelos cotovelos, pelos quatro ventos, embaixo d’água, pela internet, pelo celular, por carta e até telegrama – sempre foi uma paixão. Estabelecer pontes, contatos, informar, espalhar a palavra.

Palavra, aliás, é outra paixão fervorosa. Sou encantada pela escrita, pela magia e poder que ela pode ter, e pelas transformações que provoca.

Meu nome é Mayra Siqueira, jornalista e historiadora por formação, comunicadora por profissão. Integro a equipe de Marketing da Foxbit, uma empresa que eu rapidamente aprendi a amar, abraçar e vestir a camisa. Quando você se sente visto e ouvido, pode mover algumas montanhas e mudar todo um cenário e mercado. Faço desse objetivo minha métrica diária de conversão.

Como essa seção se chama “Nossas Histórias”, nada mais natural do que eu contar a minha. Por que raios vocês quereriam saber de mim? Não sei, mas como boa amante da fala sei muito bem como contar a minha história (talvez cortando caracteres, pra não abusar da paciência de vocês…).

Apita o árbitro, rola a bola. Em suas marcas: partiu!

Formação: natação

Nasci em São Paulo, onde cresci e passei os sete primeiros anos da minha vida. Por conta da profissão do meu pai, engenheiro, acabamos nos mudando para Aracaju, Sergipe, durante Atlanta-94 (flashes de Romário, Bebeto, comemoração do bebê, Tafarel, Galvão Bueno gritando, É TETRA, um copo de cerveja indo parar no teto).

Do Nordeste, minha família – genitora, genitor, irmão mais velho e irmão mais novo – deu continuidade ao nosso “nomadismo” e passamos por outras mudanças grandes de vida, em um tour pelo interior paulista: Itapetininga, Jacareí, Indaiatuba… França-98 e Japão/Coreia-02 depois, um pentacampeonato e algumas medalhas de natação, e eu estava de volta a São Paulo.

Agora, aos 16, e sem a família. Minha vida mudou de forma radical e meu caráter e independência se formaram na marra, quando passei a viver em uma república com outras cinco garotas lutando por um mesmo sonho: tornarmo-nos as melhores nadadoras do país, quiçá do mundo.

Foram dois anos como atleta federada do Pinheiros, um tricampeonato paulista, vice-brasileiro, outras tantas medalhas multicoloridas e muito, muito orgulho depois. A disciplina da natação, da vida fora da casa dos pais, da rotina em São Paulo e, pouco depois, da faculdade, formaram o que eu hoje considero o melhor de mim.

Esporte é disciplina, garra, determinação, entrega e uma palavra que, depois dos 30, se tornou uma das minhas favoritas do meu dicionário pessoal: resiliência.

Esses ingredientes, combinados, montaram o dream team que eu precisava para lutar, sonhar e alcançar mais objetivos na minha vida do que eu esperava.

Profissão: comunicação

Atenas, 2004. Foi um marco. Enquanto eu via o talentos brasileiros que dividiam piscinas de treino comigo brilharem no berço do esporte mundial e do evento esportivo mais incrível do planeta, meu suspiro se tornava cada vez maior.

Deixei a natação profissional aos 18 anos, com uma séria lesão no ombro (que já me rendeu duas cirurgias). Como boa atleta frustrada pela carreira interrompida, voltei para o esporte da forma como eu consegui: com as palavras, minhas fiéis companheiras desde a miudeza.

Alemanha, 2006. O curso de Jornalismo na PUC-SP ganha a companhia da faculdade de História, na USP. Porque não bastava ser multitarefa, eu tinha que fazer estágio e duas graduações de forma simultânea!

Pequim, 2008. Cesar Cielo se tornava o primeiro (e ainda único) campeão olímpico do Brasil no meu esporte. Cesão, com quem dividi pizzas, raia e jogos de videogame! E quem tive a oportunidade de entrevistar, algumas vezes e muitas medalhas depois!

África do Sul, 2010. Diploma em mãos, tornei-me oficialmente jornalista esportiva, a forma como construí a maior parte da minha carreira. Foram nove anos na área tão sonhada e idealizada por aí. Trivela, Globo Esporte, Rádios CBN e Globo, Sportv. Alguns países visitados, com mãos, voz e rosto dedicados à comunicação, reportagem e análise esportiva em diversos canais respeitados e de grande audiência nesse mercado.

Uns pensamentos aqui e acolá se eu merecia tudo isso. E outros de pódios e conquistas, aliados a muito coração, que me diziam pra seguir, só seguir.

Londres-2012 passada em uma pegada insana e de olheiras imensas (porém coração satisfeito), e veio Brasil-2014. Sim, Brasil-2014! Eu estava no(s) estádio(s), fazendo uma cobertura incrível e dos sonhos de uma Copa do Mundo no meu país! Haja orgulho, dona Rose!

Rio-2016, mais um festival de emoções, sonhos realizados, Michael Phelps, Usain Bolt, Simone Biles e outras estrelas da lista de “meu Deus, eu os vi de perto”. Poderia parar por aí?

Como todo ciclo não infinito, este teve um fim. Foi lindo! Assaz lindo. Mas foi completo. E abriu uma nova janela.

Foxbit: um novo começo

Era hora de reinvenção, daqueles momentos epifânicos da vida, e a coceira para mudar se intensificou. Entre vagas aleatórias do Linkedin, apareceu: corretora de bitcoins. Mas, oras, e esse mundo do qual eu tão pouco sabia? Vamos pesquisar!

Duas entrevistas, algumas conversas, muita pesquisa e estudo, e cá estou. Rússia, 2018.

Desde então, já mudamos a cara e o tom de voz da Foxbit, internamente e nas mídias sociais. Criamos novos produtos, pusemos no ar o Cointimes e o quadro “Minuto Cointimes“, resumo semanal de notícias do mercado de critpoeconomia.

Gravação semanal no “Minuto Cointimes”

Passei nove anos em empresas incríveis, gigantes, líderes de mercado… e não me lembrava mais como era me sentir inserida como agora. Porque a Foxbit é uma grande família (cada vez mais gigante, diga-se de passagem), em que há respeito pelas pessoas, interesses e espaço para crescimento, para ideias, para ousadia, para empreendimento. Onde se ouve e se é ouvido. Onde se contribui e também se aprende diariamente.

Onde o propósito da empresa se alinha com o meu, e busca fazer algo real pela vida das pessoas. Onde as minhas habilidades e experiência foram muito bem recebidas (com mimos, como comidinhas, frutas e massagem semanal, preciso destacar)!

Com um sorrisão realizado e que busca realizar, que venha Tóquio-2020, Catar 2022, Paris-2024 e onde mais essa barca navegar.

#GoFoxbit

Equipe de Marketing da Foxbit!

A Foxbit utiliza cookies com o objetivo de melhorar sua experiência em nossa página web e adaptar o conteúdo para torná-lo mais útil e acessível. Para mais informações, consulte a nossa política de cookies.