Camila Boni

Gosto de saber que consigo me adaptar, que sou como uma peça “coringa”. No fim, tudo o que eu e a empresa fazemos gira em torno de uma melhor experiência para o usuário. Sou Camila Boni, de Product Marketing na Foxbit. A minha parte é fazer com que essa experiência boa aconteça através de todos os produtos que oferecemos aos clientes, e proporcionar isso é algo em que eu me encontrei. É exatamente o que eu quero continuar fazendo, depois de tantas idas e vindas.

Vamos à minha história…

Formação profissional

Nasci e cresci em Jundiaí, terra da uva. Sempre morei com meus pais e meu irmão, que é um ano mais novo, e sempre estudei em escola pública. Já no Ensino Médio, eu decidi que precisava ter a minha independência financeira, pra não depender mais dos meus pais para poder comprar e ter as coisas que eu queria. Resolvi que tinha que trabalhar para ir atrás do que eu queria fazer, conhecer o mundo de “gente grande”.

Minha primeira oportunidade foi trabalhar como modelo em diversos eventos, e eu aproveitei! Fiz vários trabalhos legais de fotos, desfiles e trabalhos comerciais. Comecei a vir muito pra São Paulo com uns 14 anos, e meus pais não podiam me acompanhar sempre, então eu acabei criando maturidade de forma precoce, pra saber como lidar e me comportar e em quem confiar. Fiz esse tipo de atividade até meus 18 anos.

Nessa época, tive vontade de fazer uma faculdade, ter um carro, conquistar coisas maiores. Entrei em uma empresa para trabalhar registrada na área Comercial e Novos Negócios.

Na sequência, fui para o Groupon, uma multinacional enorme na época, na qual eu atuava como executiva externa. Como vendedora, atendia clientes e andava de carro pra cima e pra baixo. Fui uma das primeiras a trabalhar no interior paulista pela empresa, atendendo Jundiaí, Campinas e toda a região metropolitana.

Logo eu me tornei campeã de vendas, sendo a funcionária mais nova do Groupon! Sempre tive muita vontade de fazer acontecer, e fui despontando. Foi na época que eu passei na PUC Campinas, pra estudar Relações Públicas. Meus pais não podiam pagar uma mensalidade tão cara, então desde o começo eu sustentei minha faculdade, pagando o transporte até Campinas e o curso em si.

Eu dava um jeito de atender meus clientes em Jundiaí e no interior, pra terminar meu dia de trabalho com alguma reunião em Campinas, assim eu já ia pra aula e voltava pra Jundiaí à noite. Depois de um tempo, acabei optando por morar em Campinas.

Foi uma época muito importante pra minha análise profissional. Eu tinha que decidir o que eu queria fazer da minha carreira. Deixei o emprego no Groupon e fui fazer estágio na minha área em um escritório de advocacia.

Acabou sendo um desafio muito legal abrir essa nova área no escritório, com mais de 40 advogados e uma agenda enorme de eventos. Na época o trabalho foi super inovador, especialmente pra área do Direito. Tivemos resultados muito bons.

Fiquei lá um ano e só saí porque ganhei uma bolsa de estudos para estudar no Chile. Foi um intercâmbio de seis meses em Santiago, em que aprendi demais e aproveitei muito.

Após o intercâmbio, “vida real” de novo

Quando voltei, tinha mudado minhas prioridades. O período fora me fez pensar em muitas coisas. Distante da realidade que eu tinha, eu pude ver esse cenário com outros olhos e percebi que não fazia sentido ficar longe da minha família e amigos. Precisava estar perto das pessoas que eu amo, e voltei a morar com meus pais.

Estava sem emprego ao retornar, mas logo uma indicação para voltar para o Groupon, e foi um dos momentos em que apareci como uma peça coringa, para resolver entraves no interior. Fiquei dois anos, mas em um outro momento da empresa. Eu fiquei sozinha respondendo pra diretoria do interior.

Acabei saindo de lá pra procurar outros mercados e fui para a B2W, trabalhar com e-commerce. A posição era outra vez de executiva de contas, mas agora interna.

A Foxbit e o “match”

Depois disso foi que muitas coisas mudaram para mim. Passei por um projeto de treinamento e recrutamento na Gama Academy, onde eu conheci a Foxbit e rolou um “match”. Mesmo sem entender muito bem o que era aquilo, assisti a uma palestra do João Canhada com a Natália Garcia, e abordei os dois no final.

“Não entendo nada de bitcoin, o que eu preciso fazer para trabalhar na sua empresa?”

Os dois se olharam e falaram “vamos conversar”. Acabei entrando em setembro de 2017, e passei a morar em São Paulo. Depois eu entendi essa linha da empresa: trazer para dentro pessoas boas que têm vontade e querem crescer. Aqui dentro, é só encaixar no melhor lugar.

Eu entrei pra área de Parcerias e Novos Negócios, junto com a Natália. Brincavam que ela era a general aqui dentro, então eu era a aspirante!

Um monte de coisas legais foram pingando, e faltavam braços! Tudo cresceu muito rápido. Com isso surgiram também muitas demandas por eventos e para patrociná-los. Como eu tinha conhecimento na área, eu abracei e vieram vários! Só no último trimestre de 2017 foram cerca de 80 eventos.

Fechamos o ano com o Bitcoin Day, aniversário de três anos da Foxbit, em 10 de dezembro. Reunimos mil pessoas espalhadas em cidades diferentes do Brasil inteiro, com 11 embaixadores em cada uma delas. Foi animal!

Este ano a equipe de Marketing foi oficialmente criada, e chegaram diversas pessoas, formando um timão enorme e dividindo o que a gente fazia cada um um pouco.

Tantas demandas surgiram que eu passei também a cuidar de Comunicação Interna por um tempo, com eventos bombando, parcerias de marketing, até que no último mês eu passei a cuidar de product marketing, com cinco produtos em mãos.

Palestrando no evento da Mind The Sec, em Florianópolis-SC
Palestrando no evento da Mind The Sec, em Florianópolis-SC

Estou diariamente aprendendo, em mais uma área nova na minha carreira. De metodologia a aprendizado sobre comportamento de usuário são coisas nas quais eu passei a me aprofundar.

Desde o primeiro dia em que ouvi a palestra do Canhada, eu senti um fit muito grande ao perceber que a Foxbit estava construindo algo que pode mudar o dia a dia das pessoas. Tinha algo ali nas palavras dele, um propósito claro de querer ajudar, de mostrar que existem alternativas de caminho, de vida, de liberdade financeira.

Eu acredito muito que as pessoas são livres e que cada um é responsável pelo seu próprio bem, pela sua própria riqueza. Mesmo sem entender de primeira sobre bitcoin, a Foxbit me mostrou um universo gigantesco que me fez brilhar os olhos.

Não é clichê, não! Aqui eu percebi como pessoas incríveis atraem pessoas incríveis. Todos que estão aqui, ou que passaram por aqui, têm uma essência do bem, um propósito de ajudar a ensinar, construir e evoluir. Isso não é pra qualquer lugar.

Por isso que hoje eu me sinto tão parte disso, e por uns bons anos eu pretendo ajudar a Foxbit chegar onde ela quer.

Apresentamos nossas pessoas