Relatório do mercado de criptoativos: maio/2018 Foxbit Invest

Relatório do mercado de criptoativos: maio/2018

Foxbit Invest

O mercado global de ativos digitais sofreu forte retração no mês de maio, quando a soma do valor de mercado de todos os criptoativos recuou 21,07% em relação ao mês anterior e fechou o período em US$334,43 bilhões.
A expectativa de uma recuperação influenciada pelos bons resultados da segunda metade do mês de abril vinha se confirmando até o final da primeira semana de maio, mas depois de atingir a casa dos US$470 bilhões de capitalização de mercado, o ecossistema perdeu valor dia após dia, até que no final do mês começou a recuperar timidamente parte das perdas.
Nem mesmo a semana de eventos e conferências, realizada em Nova York de 10 a 18 de maio, que estava recheada de novidades e lançamentos da indústria de criptoativos e Blockchain, foi capaz de reacender os ânimos dos investidores.
O volume financeiro total negociado nas bolsas de criptoativos em todo mundo no mês de maio totalizou US$481,78 bilhões (este número não inclui o volume negociado em tether-USDT, no relatório do mês passado explicamos o por quê), o que representou uma queda de 2,27% em relação a abril.
O preço do bitcoin caiu 18,99% em maio, saindo de US$9.240,6 em 30 de abril para US$7.485,8 no dia 31 de maio.
Na primeira semana do mês de maio, uma unidade de bitcoin chegou a ser negociada pouco acima dos US$10 mil em alguns mercados, como o brasileiro. No dia 29, entretanto, o preço do bitcoin chegou a cair para US$7.040, e dois dias depois conseguiu fechar próximo aos US$7,5 mil.
Apesar do expressivo tombo no preço do bitcoin, os 10 ativos digitais com maior valor de mercado registraram quedas ainda maiores, sendo a única exceção o ether, token nativo da plataforma de contratos inteligentes Ethereum.
relatório do mercado de criptoativos maio 2018 - retorno das principais criptomoedas nos últimos meses

Termômetro do mercado

O bitcoin continua sendo o principal ativo digital e a tecnologia mais sólida do mercado. Para entendermos o que vem ocorrendo no mercado global de criptoativos, é importante analisarmos o nível de atividade na rede do Bitcoin.
Tem sido comum encontrar na mídia reportagens que apontam queda no número de transações que são performadas diariamente no Blockchain do Bitcoin. Contudo, uma fria análise sobre o número de transações em si não é capaz de traduzir o real nível de atividade da rede do protocolo. Isso porque, uma única transação pode fazer centenas de pagamentos de uma vez só, devido à forma como as transações de bitcoin estão estruturadas.
Basicamente, uma transação de bitcoin é composta por entrada(s) (input) e saída(s) (output). O funcionamento é muito parecido com a forma como realizamos pagamentos com dinheiro vivo. Se vamos ao mercado e compramos uma água com uma nota de R$10, receberemos o troco daquela operação. O mesmo ocorre com o Bitcoin. Se você tem 10 bitcoins e precisa enviar 5 bitcoins para um amigo, a transação será composta de uma entrada de 10 bitcoins, uma saída de 5 bitcoins (para o seu amigo) e outra saída de 5 bitcoins para você, que representa o seu troco.
Portanto, é possível performar uma única transação que tenha uma entrada de 10 bitcoins e que tenha várias saídas de 0.1 bitcoin cada. Na contabilidade de transações, esta será considerada como uma única transação. Mas na verdade, vários pagamentos estão sendo feitos a partir dela. Por isso, é importante analisarmos a métrica que considera o número de pagamentos em bitcoin por dia, ou seja, contabiliza-se as entradas, saídas e exclui-se o troco. Podemos chamar este número de “pagamentos líquidos por dia”.

relatório do mercado de criptoativos maio 2018 - pagamentos em bitcoin por dia

Fonte: transactionfee.info

O gráfico acima mostra a quantidade de pagamentos feitos por dia na rede do Bitcoin desde o início de 2016. No canto direito, destacamos o desempenho do mês de maio. É notável que o nível de atividade da rede do Bitcoin vem caindo bastante e estava, no final de maio, bem abaixo em relação a muitos períodos anteriores, porém ainda um pouco acima em relação ao mês de abril de 2018, quando o número de pagamentos chegou a cair para níveis vistos apenas no início de 2016. O que preocupa é a tendência de queda formada em maio. Se o nível de atividade da rede continuar caindo, essa redução de pagamentos poderá impactar o preço do bitcoin e, consequentemente, de outros criptoativos.
Outro indicador que confirma a menor demanda pela utilização da rede é a média das taxas de transação pagas aos mineradores da rede do Bitcoin, que durante o mês de maio atingiu os níveis mais baixos dos últimos sete anos. Além da menor quantidade de pagamentos que vem sendo feita, outros fatores impactaram positivamente a redução dos custos de transação, como a adoção do SegWit, atualização do software do bitcoin que reduz o tamanho das transações, e também o agrupamento de outputs em uma única transação, conhecido como batching, que vem sendo bastante utilizado pelas corretoras e serviços que realizam muitos pagamentos.

relatório do mercado de criptoativos - taxa média das transações na rede bitcoin

Fonte: transactionfee.info

Semana do Blockchain em Nova York

Mais de uma dezena de eventos, meet-ups e conferências ocorreram na cidade de Nova York no mês de maio. A maior delas, a Consensus 2018, organizada pela empresa de mídia CoinDesk, reuniu 8,5 mil pessoas durante três dias. A Foxbit esteve presente na conferência com um estande e 10 pessoas da equipe.
O evento é prova do surgimento de uma pujante indústria que gira em torno de projetos tokenizados e produtos financeiros baseadas em protocolos criptográficos. O mercado de soluções corporativas baseadas em Blockchain teve grande destaque nas mais de 120 palestras da conferência, representando mais de 80% de todo conteúdo das apresentações.
Notamos também forte presença de players institucionais que já entraram ou estão se preparando para acessar o mercado de criptoativos. Vale ressaltar ainda a eclosão e crescimento dos mercados organizados de balcão (OTC) em todo mundo, tendência confirmada pelo desempenho da Foxbit Invest, que tem registrado volumes crescentes de negociação.
Além da Consensus, outra conferência que reuniu muita gente (cerca de 1,5 mil pessoas) foi a Ethereal, organizada pela Consensys, empresa criada por Joseph Lubin um dos fundadores do Ethereum. O evento apresentou uma série de projetos que estão sob o guarda-chuva da Consensys e que utilizam o Ethereum como plataforma para rodar os contratos inteligentes que formam as soluções de cada um deles. O grau de inovação dos projetos e, principalmente, a competência técnica das equipes envolvidas em cada projeto é um sinal de que alguns desses empreendimentos merecem ser acompanhados de perto pelos investidores do ecossistema.

Ataques de 51%

Uma das maiores ameaças dos ativos digitais que possuem uma rede descentralizada de verificação e registro das transações consiste na possibilidade de um ator malicioso obter o controle da maioria do poder de processamento da rede (hashing power) de determinado protocolo. No mês de maio, o mercado viu pelo menos dois ativos, a Verge e o Bitcoin Gold, sofrerem ataques de 51%.
A Verge é um ativo com capitalização de mercado acima de meio bilhão de dólares. O Bitcoin Gold viu US$18 milhões irem parar nas mãos daqueles que perpetraram o ataque. O curioso, entretanto, é que aparentemente o custo financeiro para se realizar um ataque desse tipo em projetos consideravelmente sólidos, como a Zcash, é de apenas US$62 mil por hora
O site Crypto51 foi criado para listar o custo de se realizar ataques desse tipo nos criptoativos. O protocolo do Bitcoin, por deter o maior poder de processamento, é o mais difícil e custoso de ser atacado: US$611 mil por hora. Em contrapartida, a Bytecoin poderia ser atacada por cerca de US$1400 por hora.
O investidor de criptoativos precisa ficar atento a essas vulnerabilidades, pois os dois casos que ocorreram em maio podem ser o início de uma onda de ataques desse tipo. Nesta hora, investir em protocolos que possuem bastante poder de processamento pode ser uma forma de reduzir o seu risco em relação a isso.

Manipulação de mercado

O Departamento de Justiça norte-americano abriu uma investigação criminal sobre possíveis ações de manipulação do preço do bitcoin e de outros ativos digitais.
A investigação tem foco em práticas ilegais que podem influenciar os preços, como spoofing ou a criação de ordens falsas em plataformas de negociação com o objetivo de iludir os traders a comprar ou vender em determinadas situações.
Movimentos de mercado suspeitos têm ocorrido com frequência no mercado e podem ser percebidos nos gráficos de vários criptoativos.