Bitcoin e blockchain: qual a relação? Bitcoin

Bitcoin e blockchain: qual a relação?

Guto Schiavon

A tecnologia blockchain vem revolucionando o mundo dos negócios desde que foi implementada junto ao Bitcoin, a moeda digital mais conhecida atualmente. Ela, inclusive, já atrai investidores de várias partes do globo, especialmente aqueles ligados a instituições financeiras. Contudo, seu potencial pode ir muito além disso graças ao seu modo de funcionamento.
O blockchain pode beneficiar seguradoras (insurtechs), empresas de tecnologia, startups, sistemas de registros de patentes, de direitos autorais e até documentos oficiais, como certidões de nascimento e de casamento. Em alguns casos, sua importância já é equiparada ao do próprio Bitcoin, maior representante de seu potencial revolucionário.

O que é a tecnologia blockchain e como ela funciona?

A tecnologia blockchain atua na criação de registros sobre todas as transações realizadas dentro do seu sistema, disponibilizando-os publicamente em sua rede. Ou seja, registros públicos que podem ser conferidos por qualquer pessoa que a acesse ou utilize. Para entender melhor, é interessante analisar como o blockchain funciona junto aos Bitcoins.
A tecnologia blockchain sustenta um banco de dados que se encontra distribuído entre os usuários da rede dos Bitcoins. Essa rede é formada pelos computadores interconectados dos seus participantes. Nela, cada transação realizada envolvendo Bitcoins recebe um registro do Blockchain, o qual pode ser observado por seus participantes.
As transações realizadas podem se referir a compras, vendas, mineração, doações e inúmeras outras ações envolvendo a moeda digital.
E cada vez que um evento assim ocorre, ou uma correção de transação, os nós de sua rede executam algoritmos e cálculos para avaliá-lo, tendo como base o histórico. Dessa forma, esses dados e sua assinatura são analisados para poderem validá-lo ou não. Para isso, é necessário um consenso entre todos os nós existentes.
Após sua aprovação, a transação será admitida no registro. Da mesma forma, um bloco com essas informações será incluído na cadeia de transações para que passe a fazer parte do sistema Blockchain. Caso a validação seja negada por grande parte dos nós, a inclusão dessas informações nos registros do sistema não é realizada.

Vantagens da tecnologia blockchain

Graças ao seu modelo de funcionamento, o Blockchain atua como um registro distribuído (DLT — distributed ledger technology) sem a necessidade de um agente ou autoridade central para gerenciá-lo.
Vale ressaltar que todas as transações realizadas são criptografadas. Esse ponto — aliado ao fato de ele ser um sistema aberto e com registros que podem ser checados por seus integrantes — permite protegê-lo contra fraudes e atitudes mal-intencionadas. Também o tornam mais seguro e transparente para a realização de atividades financeiras.
Sua flexibilidade também é outra vantagem, pois, como mencionado acima, ele poderá ser empregado em diversos negócios que exijam confiança e envolvam valores. Nesse sentido, ele possui um amplo potencial disruptivo, podendo ser aproveitado por negócios emergentes e novas tecnologias.
Em transações financeiras ele poderá até suplantar sistemas de clearing, graças aos seus benefícios inovadores.

Como o blockchain mudou o mundo das moedas digitais?

O blockchain mudou o mundo das moedas digitais ao inserir maior segurança, transparência e credibilidade às transações.
Antes, todas as moedas digitas eram centralizadas e para o governo acabar com isso era muito fácil, pois era só atacar um único ponto centralizador e pronto, todo o sistema vem abaixo.

OK, Blockchain é legal, mas ele funcionaria sem o Bitcoin?

O blockchain é um grande banco de dados digital e hoje ele é imutável por um único motivo: é muito caro tentar alterar alguma transação já validada. Hoje a rede tem um poder de processamento de cerca de 1.775.000 TH/s, isso quer dizer que se você quiser alterar alguma transação já ocorrida, você precisaria de, no mínimo, 50% +1, ou cerca de 887.500 TH/s.
Hoje, uma mineradora de 12 TH/s custa por volta de 1800 dólares. Para você tentar manipular algo na rede, seriam necessário 131 milhões de dólares e, logo após identificarem que tem um minerador malicioso na rede, as pessoas migrariam para uma cadeia de blocos sem esse minerador. Traduzindo: você gastaria 131 milhões de dólares para nada.
Existem diversas altcoins, cada uma com um novo blockchain, porém, podemos dizer que o blockchain do bitcoin é o mais seguro, pois é o que mais possui um interesse financeiro agregado.

Quais bancos utilizam a tecnologia blockchain?

O número de bancos usando a tecnologia ou desenvolvendo soluções financeiras a partir dela tem aumentado nos últimos anos. Atualmente, instituições como Santander, City Bank, Goldman Sachs, BBVA, Barclays, Westpac e Commonwealth Bank of Australia já aproveitam as potencialidades do blockchain.
Isso significa que, em breve, teremos muitas novidades relacionadas a essa tecnologia, indo além do sistema de funcionamento do Bitcoin. Aliás, ela já está mudando negócios e até mesmo impulsionando novas tecnologias no setor financeiro, além de áreas que exijam maior segurança e transparência em suas transações comerciais.
Para saber mais sobre instituições financeiras e seu envolvimento com as potencialidades dessa tecnologia, veja a forma como 6 grandes bancos estão explorando o blockchain em suas operações.